A torre de Babel E a Confusão das Línguas.


Muito tempo depois do dilúvio, quando todo mundo ainda falava a mesma língua, muitas pessoas foram habitar nas planícies do Oriente. Certo dia, elas decidiram o seguinte: "Vamos construir uma cidade e uma torre. Seremos famosos, e não nos separaremos uns dos outros". 

Isso foi uma desobediência direta às ordens de Deus para que se espalhassem e povoassem a terra. Além do mais, a torre que planejavam construir seria um lugar de adoração ao Sol, à Lua e às estrelas. Eles decidiram adorar a criação e não o Criador. 

Deus viu a cidade e a torre que estavam sendo construídas disse: "O povo é um só, e todos falam a mesma língua; assim, podem fazer tudo o que quiserem. Vamos descer e confundir suas palavras; assim um não vai entender o que o outro está dizendo". E foi o que o Senhor fez, e a construção parou. 

Aquela cidade recebeu o nome de "Babel", que significa "confusão", pois foi ali que Deus criou diferentes idiomas, obrigando o povo a se espalhar pela Terra. 

A Torre de Babel estava localizada na Babilônia, e muitos historiadores buscam a verdade em torno da verdadeira história das línguas. Outra hipótese é que antigamente todos falavam a mesma língua. Existiam dialetos e palavras diferentes que, com o decorrer dos anos e a separação dos continentes, esses dialetos foram mudando e se tornando idiomas totalmente distintos. 

Alguns estudos indicam que a Torre de Babel e a Arca de Noé eram revestidas de asfalto, um material impermeável e resistente. Isso prova o quanto os homens desejavam essa torre e queriam ser superiores a Deus. 

Mas fica a prova do poder divino nas sagradas escrituras. Veja o texto original retirado da bíblia onde é citada a confusão das línguas. 

»GÊNESIS [11]
1 Ora, toda a terra tinha uma só língua e um só idioma.
2 E deslocando-se os homens para o oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e ali habitaram.
3 Disseram uns aos outros: Eia pois, façamos tijolos, e queimemo-los bem. Os tijolos lhes serviram de pedras e o betume de argamassa.
4 Disseram mais: Eia, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo cume toque no céu, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.
5 Então desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam;
6 e disse: Eis que o povo é um e todos têm uma só língua; e isto é o que começam a fazer; agora não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer.
7 Eia, desçamos, e confundamos ali a sua linguagem, para que não entenda um a língua do outro.
8 Assim o Senhor os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade.
9 Por isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o Senhor a linguagem de toda a terra, e dali o Senhor os espalhou sobre a face de toda a terra.
Sabemos que Deus confundiu as línguas quando os homens tentaram se exaltar na construção da torre de Babel (Gênesis 11:1-9). É uma lição duradoura sobre os perigos de ambição, arrogância e esquecimento de Deus.

Mas, espere um pouco. Encontramos no capítulo anterior que os povos e nações se dividiram "segundo as suas línguas" (Gênesis 10:5,20,31). Alguns céticos citam esse caso para "provar" que a Bíblia se contradiz e não é de confiança. Como devemos responder?
Um estudo cuidadoso de Gênesis mostrará que este livro, como muitos outros livros dentro e fora da Bíblia, usa uma técnica literária de resumir a história antes de entrar em detalhes de algum determinado episódio. Devido a esta e outras técnicas, vários eventos bíblicos são relatados fora da seqüência cronológica. Veja alguns outros exemplos:
Gênesis 1 contém o resumo da criação. Capítulo 2 dá os detalhes da criação do primeiro casal humano.
A morte de Abraão é mencionada em Gênesis 25:7-10 e o nascimento dos filhos de Isaque se encontra em (25:21-26). De fato, Abraão morreu quando os netos gêmeos tinham 15 anos de idade.
A morte de Isaque é relatada em Gênesis 35:28-29. Mas, pela cronologia, se encaixa no período da prisão de José no Egito (capítulo 40).
Poderíamos citar outros exemplos, mas esses servem para ilustrar o ponto. Livros como Gênesis nem sempre seguem uma cronologia rígida. Algumas histórias são contadas fora de seqüência por causa dos temas ou personagens destacados.
No caso da confusão de línguas, Gênesis 10 enfatiza a divisão dos descendentes de Noé em termos da geografia. Gênesis 11:1-9 mostra a maneira que Deus forçou os homens a cumprir a sua ordem de encher a terra (Gênesis 9:1).
Esta questão da seqüência de Gênesis 10 e 11 não prova a falta de veracidade da Bíblia. O fato que algumas pessoas apontam a tais casos para desacreditar as Escrituras ilustra uma realidade triste. Há pessoas que procuram qualquer motivo, mesmo argumentos absurdos e sem fundamento, para rejeitar Deus e sua palavra. A evidência da existência de Deus grita de cada árvore, neném, montanha e estrela que ele criou, tirando qualquer justificativa da boca dos descrentes (Romanos 1:20; Atos 17:25-29). As pessoas que rejeitam tais evidências querem justificar seus atos egoístas, rebeldes e pecaminosos (Romanos 1:21-32), ao invés de aceitar o amor e a graça do Deus benevolente (Romanos 5:8).

"O homem perverso mostra dureza no rosto, mas o reto considera o seu caminho. Não há sabedoria, nem inteligência, nem mesmo conselho contra o Senhor" (Provérbios 21:29-30).

por Apocalipse2000 e Dennis Allan

4 comentários:

Abraão tinha 175 anos quando morreu, se ele teve Isaque com 100, e Isaque teve os filhos com 70, os meninos tinha de 4 para 5 anos quando o Avo morreu,

Pode me explicar melhor a questão de Isaque estar vivo quando Jose estava no Egito, não entendi direito.

Muito bom o post! Que Deus continue abençoando vocês as sabedoria!

Postar um comentário

Dê sua opnião sempre com respeito